Páginas

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

A Continuidade do Pensamento da Igreja entre a Pascendi Dominici Gregis e a Veritatis Splendor

INTRODUÇÃO

Duas encíclicas que distam uma da outra oitenta e seis anos, com estilo literário e contexto histórico diverso e com motivos diferentes. Uma, A Pascendi Dominici Gregis, de oito de setembro de 1907, quinto ano do Pontificado de São Pio X e a outra, Veritatis Splendor, de seis de agosto de 1993, décimo quinto ano do Pontificado de Papa João Paulo II são aparentemente tão diferentes entre si. Contudo, trazem um pano de fundo bastante comum e revelam a continuidade do Magistério Petrino, exercido pelo Romano Pontífice, infalível em questões de moral e fé e perene, atravessando o tempo e acertando o passo com a eternidade.
Perceber nestes documentos que os tempos mudam, mas a problemática moral e religiosa do modernismo, embora com roupagens diversas e apresentação não menos mutáveis, são as mesmas é uma tarefa não muito difícil. Responder, no hoje da história aos problemas dos modernistas, que fundam suas teorias num agnosticismo imanentista que alcançam de um modo ou de outro – quer pelo panteísmo quer pelo subjetivismo – uma proposta ateísta que rechaça a Igreja e a religião é um ponto delicado que ambas encíclicas buscam elucidar partindo da verdade absorvida pela consciência do homem.
Mostraremos neste trabalho a continuidade do pensamento da Igreja nas duas encíclicas; como por trás do agnosticismo e imanetismo denunciados pela Pascendi está uma aspiração por uma liberdade desvinculada de uma natureza humana e como por trás das teses condenadas pela Veritatis Splendor estão o agnosticismo e o imanetismo descrito pela Pascendi.
  
I - A CONTINUIDADE DO PENSAMENTO DA IGREJA NAS DUAS ENCÍCLICAS.

O magistério da Igreja Católica é o corpo de mestres autorizados a ensinar e avaliar os pontos de doutrina, uma instancia habilitada a pronunciar-se em matéria de fé e de moral a ela confiada pelo próprio Cristo. Assim, a Igreja tem o dever de expor a doutrina revelada, já que é sua guardiã e dispensadora. O Magistério não acrescenta novidades, antes elucida e reafirma a doutrina católica e tem como o infalível doutor o Papa.
Se expressa a unidade desse magistério, que é perene, mesmo que os tempos sejam outros e mesmo que as necessidades sejam outras. O magistério é fiel à doutrina revelada pelo Cristo e a si mesmo não se contradizendo. Assim ocorre com as encíclicas Pascendi Dominici Gregis e Veritatis Splendor, o problema comum das duas encíclicas é a doutrina modernista, que trazem em seu epicentro questões imanentitas e agnósticas. Mas de que se trata?

1.1.  Imanentismo
O imanentismo nega qualquer realidade ou ser fora da consciência ou da autoconsciência. Na leitura modernista, tal era o fundamento do método da imanência: encontrar Deus e o sobrenatural na consciência do homem. Assim, a fé não surge se não dos sentimentos e necessidades religiosas do homem.

1.2.  Agnosticismo
No sentido literal designa a tese sobre a qual Deus é incognoscível, o que se traduz, pois, pela suspensão de todo juízo sobre a sua existência, aparentando-se, por isso, com o ceticismo. Não é uma negação dogmática da existência de Deus, mas a simples recusa de pronunciar-se sobre ele. Situar Deus acima da ordem do cognoscível pode ser uma maneira de reconhecer sua eminência, mas ao dizer que Deus é inexistente para o pensamento, também pode ser recusar-lhe toda e qualquer existência.

1.3.  O modernismo
O Modernismo foi uma tentativa de reforma católica que teve alguma difusão na Itália e na França no ultimo decênio do século XIX e no primeiro de nosso século e foi condenada na encíclica Pascendi por Pio X. Recebe a inspiração das exigências da Filosofia da Ação[1] e consiste em extrair desta filosofia o significado que deve ser dado aos conceitos fundamentais da religião. Na Itália, assumiu especialmente a forma da crítica bíblica e política.
Podemos resumir da seguinte forma:
a). Deus se revela imediatamente à consciência do homem. Este princípio diminui ou anula a distancia entre o domínio da natureza e o da graça e também entre o homem e Deus, fazendo de Deus o princípio metafísico da consciência humana.
b). Deus é antes de tudo um princípio de ação e a experiência religiosa é prática, fazendo coincidir a religião com a moral.
c). Os dogmas nada mais são que expressões simbólicas e imperfeitas, porque relativa às condições históricas do tempo em que se constituem, da verdadeira revelação que é a que Deus faz de si próprio à consciência do homem.
d). À bíblia devem ser aplicados sem limitação os instrumentos de investigação de que dispõe a pesquisa filológica, isto significa dizer que deve ser estuda como um documento histórico da humanidade.
e).  O Cristianismo, no campo da política, deve conduzir à defesa do progresso e ascensão do povo, cuja vida na história é a manifestação própria da vida divina.

Faz-se mister entender que Pio X na Pascendi tem a intenção de “primeiro [exibir]... as mesmas doutrinas em um só quadro, e mostrar-lhes o nexo com que formam entre si um só corpo, para depois [indagar] as causas dos erros e [prescrever] os remédios para debelar-lhes os efeitos perniciosos” [2]. Faz uma esmerada análise do movimento modernista, eivado de sentido agnóstico e imanentista, condenando-o.
A Veritatis Splendor, embora não tenha diretamente como objetivo responder ao problema do modernismo, uma vez que já está distante de seu epicentro, resgata o problema debelando os erros. Isso fica expresso em parágrafos como:

“Na sua raiz, está a influência, mais ou menos velada de correntes de pensamento que acabam por desarraigar a liberdade humana da sua relação essencial e constitutiva com a verdade.  Rejeita-se, assim, a doutrina tradicional sobre a lei natural, sobre a universalidade e a permanente validade dos seus preceitos; consideram-se simplesmente inaceitáveis alguns ensinamentos morais da Igreja; pensa-se que o próprio Magistério possa intervir em matéria moral, somente para “exortar as consciências” e “propor os valores”, nos quais depois cada um inspirará, de forma autônoma, as decisões e as escolhas da vida.”[3]

Os documentos encaram a mesma realidade de subjetivismo que o imanentismo e o agnosticismo, presentes no modernismo, pulverizam na doutrina cristã. O Papa Pio X realça no pensamento modernista o seguinte sobre a verdade e a mutabilidade dos cânones religiosos:
Não é, portanto de nenhum modo lícito afirmar que elas [as fórmulas religiosas] exprimem uma verdade absoluta; portanto, como símbolos, são meras imagens de verdade, e, portanto devem adaptar-se ao sentimento religioso, enquanto este se refere ao homem; como instrumentos, são veículos de verdade e assim, por sua vez, devem adaptar-se ao homem, enquanto se refere ao sentimento religioso[4].

Podemos ler na Veritatis Splendor:
“Generalizada se encontra também a opinião que põe em dúvida o nexo intrínseco e indivisível que une entre si a fé e a moral, como se a pertença à Igreja e a sua unidade interna se devessem decidir unicamente em relação à fé, ao passo que se poderia tolerar no âmbito moral um pluralismo de opiniões e de comportamentos, deixados ao juízo da consciência subjetiva individual ou à diversidade dos contextos sociais e culturais.”[5]

Os problemas denunciados pela Pascendi estão no fundo das questões criticadas pelo Papa João Paulo II. Temas como o subjetivismo, a negação da lei natural, a incognoscibilidade de Deus, a redução da religião ao sentimento religioso, redução dos dogmas da Igreja e das normas morais à meras fórmulas religiosas inadequadas, a modificação e “evolução” da doutrina de acordo com o contexto histórico em que se encontram e etc.,  apresentados na Pascendi são retomados na Veritatis Splendor.

II - AS ASPIRAÇÕES POR UMA LIBERDADE DESVINCULADA DE UMA NATUREZA HUMANA NO IMANENTÍSMO E AGNOSTICISMO DENUNCIADOS PELA PASCENDI.

Já em 1907 verificava-se que entre as causas do modernismo, poderiam ser encontrados, entre as causas remotas do modernismo o amor de novidades e o orgulho expressos por uma vontade de liberdade que, opondo a liberdade do homem à lei natural acabam por deturpara a liberdade.
O modernismo coloca em rota de colisão a liberdade e a lei, contudo, não são idéias que colidem, mas se completam. Se por um lado os modernistas, sob o pretexto de libertar a consciência humana, acabam por restringi-la a mera consideração dos fenômenos, sem transpor os limites a que é chamada a transpor, por outro lado inculca uma falsa idéia de liberdade dizendo que a religião deve mudar de foco de acordo com o tempo.
No modernismo, o homem produz Deus no seu interior, por uma necessidade de divindade por ele sentida que é produzida no âmbito do incognoscível. Diante deste incognoscível, dentro ou fora do homem, a necessidade de um quê divino que une o homem a Deus.
Ora, deste ponto de vista, a vontade de uma liberdade desconexa de qualquer parâmetro externo acaba por desembocar num fideísmo onde o homem gera os próprios parâmetros da consciência e segue-as como norma. O modelo moral move-se do reconhecer a verdade intrínseca às coisas para a verdade produzida pela consciência do homem.
A perspectiva do modernismo denunciado pela Pascendi Dominici Gregis leva necessariamente ao subjetivismo religioso, denotando assim o intuito de impostar uma liberdade desvinculada da natureza humana:

“Efetivamente, o orgulho fá-los confiar tanto em si que se julgam e dão a si mesmos como regra dos outros. Por orgulho loucamente se gloriam de ser os únicos que possuem o saber, e dizem desvanecidos e inchados: Nós cá não somos como os outros homens. E, de fato, para o não serem, abraçam e devaneiam toda a sorte de novidades, até das mais absurdas. Por orgulho repelem toda a sujeição, e afirmam que a autoridade deve aliar-se com a liberdade.”[6]

O AGNOSTICISMO E O IMANETISMO DESCRITO PELA PASCENDI NAS TESES CONDENADAS PELA VERITATIS SPLENDOR.

A Carta de Pio X denuncia o modernismo pela explicação minuciosa de seus enunciados e proposições. Tais podem ser encontrados em refutações e condenações na Veritatis Splendor.
 Carta de João Paulo II defende a luz de Deus, objetiva e autentica no interior do homem e “nenhuma sombra de erro e de pecado pode eliminar totalmente”, pois “nas profundezas de seu coração permanece sempre a nostalgia da verdade absoluta e a sede de chegar à plenitude do seu conhecimento” contrariando as teses modernistas que foram expostas na Pascendi.
A relação intrínseca entre a verdade e liberdade humana é a firmada e com ela a doutrina clássica sobre a lei natural, sobre a universalidade e permanente validade dos preceitos expostos pelo magistério para exortar às consciências e propor valores.
Posto que a perfeição exija a maturidade do dom de si, a que é chamada liberdade do homem, a carta põe em relevo:

“A palavra de Jesus revela a dinâmica particular do crescimento da liberdade em direção à sua maturidade e, ao mesmo tempo, comprova a relação fundamental da liberdade com a lei divina. A liberdade do homem e a lei de Deus não se opõem, pelo contrário, reclamam-se mutuamente. O discípulo de Cristo sabe que a sua é uma vocação para a liberdade. “Vós, irmãos, fostes chamados à liberdade” (Gl 5, 13), proclama com alegria e orgulho o apóstolo Paulo. Mas logo precisa: “Não tomeis, porém, a liberdade como pretexto para servir a carne. Pelo contrário, fazei-vos servos uns dos outros pela caridade”.[7]   

Vemos assim, que no fundo da carta de João Paulo II figura a problemática do modernismo, condenada com muitos argumentos que alcançam um cunho cientifico sem, contudo, desprezar a fé e sem deixar de considerar a transcendência acessível ao homem, a ela destinado, cujo acesso único é o Cristo.

CONCLUSÃO

Vemos assim que o modernismo esta o pano de fundo da Veritatis Splendor, assim como a questão da liberdade humana em relação a lei natural esta na perspectiva da Pascendi ao denunciar o modernismo. Denota-se assim o quanto as questões postas levam aos mesmos sistemas que reduzem o homem, a fé e a religião sob um pretexto de liberdade.
É pertinente a colocação de Jean Guiton e, com ela encerramos nossa reflexão que mostrou, nas duas cartas, a continuidade do magistério e as idéias subjacentes que se ligam umas as outras. Diz ele:
“O modernismo nos aparece como um caso particular num sistema mais amplo, como uma forma de pensamento que retornará sempre, ao longo da história do catolicismo, quando o espírito quiser fundar a fé sobre o espírito do tempo em vez de integrar o espírito do tempo à sua fé”. [8]




BIBLIOGRAFIA

I. FONTES
PIO PP X. Carta Encíclica Pacendi Dominicis Gregis. São Paulo, Paulus. 2002.
JOÃO PAULO PP. II, Carta Encíclica Veritatis Splendor. São Paulo, Paulinas. 1993.

II. OBRAS
COMPAGNONI, Francesco (dir). Dicionário de Teologia Moral, São Paulo, Paulus,1997.
LACOSTE, Jean-Yves. Dicionário Crítico de Teologia, São Paulo, Paulinas e Loyola, 2004.


[1] Caracterizada pela crença de que a Ação constitua o caminho mais direto para conhecer o Absoluto ou o modo mais seguro de possuí-lo. O primado da Razão Prática de que Kant falará não tinha significado fora do domínio moral; Mas com Fichte esse primado significa que só na ação o homem se identifica com o Eu infinito. Na forma religiosa a ação é o núcleo essencial do homem e só a análise da ação pode mostrar as necessidades e as deficiências do homem, além de sua aspiração ao infinito: que por sua vez pode vir satisfeita somente pela ação gratuita e misericordiosa de Deus.
[2] PIO PP X. Carta Encíclica Pacendi Dominicis Gregis. São Paulo, Paulus. 2002, n. 7.
[3] JOÃO PAULO PP. II, Carta Encíclica Veritatis Splendor. São Paulo, Paulinas. 1993, n. 4.
[4] PIO PP X. Carta Encíclica Pacendi Dominicis Gregis. São Paulo, Paulus. 2002, n. 33.
[5] JOÃO PAULO PP. II, Carta Encíclica Veritatis Splendor. São Paulo, Paulinas. 1993, n. 4.
[6]PIO PP X. Carta Encíclica Pacendi Dominicis Gregis. São Paulo, Paulus. 2002.
[7]JOÃO PAULO PP. II, Carta Encíclica Veritatis Splendor. São Paulo, Paulinas. 1993, n. 17.
[8] GUITON, Jean. La penseé de M. Loisy, p. 20 in LACOSTE, Jean-Yves Dicionário Critico de Teologia. São Paulo, Paulinas: Loyola, 2004 in verbete modernismo.

quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Mensagem de D. José Francisco Rezende Dias, Arcebispo eleito de Niterói


 Vivamos por Ele!


Irmãos e irmãs, da Arquidiocese de Niterói:
 “A Graça do Senhor Jesus Cristo esteja com todos vocês” (1Cor 16,23).

 Ao ser escolhido para a missão de Arcebispo de Niterói, quero saudar com carinho o Povo de Deus desta Igreja. Deus, rico em misericórdia, deu-me a mim, o menor de todos, a graça de anunciar por meio do Evangelho, as riquezas incomparáveis de Cristo (Ef 3,8).

“Pela graça de Deus sou o que sou, e a sua graça para comigo não tem sido vã – não por mim – mas pela Sua graça que está comigo” (1Cor 15,10). É esse o tom com que aceito esta nobre e desafiadora missão. É essa a atitude de fé ao chamado de Jesus Cristo, na voz da Igreja, que me faz dizer meu “sim”.

Quando assumi a missão episcopal, escolhi como lema para a vivência de meu ministério o carisma e a força das palavras da Primeira Carta de João: “Nisto se manifestou o amor de Deus por nós: Deus enviou o seu Filho único ao mundo para que vivamos por Ele” (1Jo 4,9).Este é o convite que dirijo aos irmãos e irmãs da Igreja de Niterói, nessa primeira mensagem: Vivamos por Ele. Só por Ele recebemos a graça do Mistério Total da Vida Divina, que nos traz esperança, no mundo, e salvação, do mundo.

Aos irmãos cristãos leigos e leigas, Povo de Deus enxertado em Cristo pelo Batismo, o meu afeto de pastor e o desejo de caminhar unido a vocês para a construção de uma comunidade solidária numa sociedade mais justa. Sobretudo, aos jovens, o carinho de meu lado paterno.

Aos seminaristas, que agora estão acolhendo e discernindo o chamado de Cristo, o meu carinho, e a esperança de que sejam generosos na resposta fiel ao Senhor. Soube que são muitos! O bispo de vocês, apenas um irmão mais velho, encheu-se de alegria com essa notícia, e espera o momento de conhecer um a um.
Aos irmãos consagrados e às irmãs consagradas, que embelezam a Igreja com seus carismas e nutrem o mundo com a memória viva da forma de ser e atuar de Jesus, minha saudação fraterna. Conto com a força de seu testemunho, caridade e missão.

 Aos irmãos diáconos, sinais do Cristo-Servo e expressão da Igreja servidora, deixo nesse primeiro momento o afeto do meu coração e o desejo de caminhar juntos na comunhão e na entrega de vida, sempre, a serviço do Amor Fundador. Não importam quais sejam os nossos desafios, a graça os transformará em alegrias do Reino.
Aos irmãos presbíteros, que mais de perto cooperam na Ordem episcopal e compartilham e exercem comigo, bispo, o sacerdócio único de Cristo, uma palavra especial: vocês são meus irmãos. São os meus irmãos mais próximos, e serão os mais queridos, em todas as dores e em todas as alegrias. Nessa família, os ministérios são diferentes e as responsabilidades não são iguais, mas os irmãos serão o que sempre foram: irmãos. Trago meu amor fraterno e venho a vocês como irmão. O compromisso missionário que a Arquidiocese assume em Barra do Garças e em Porto Velho, com irmãos presbíteros seus, revela a sintonia eclesial da Arquidiocese de Niterói com a Igreja desse país-continente. Vocês anteciparam o Documento de Aparecida: esse é o lado verdadeiro e real da Igreja de Cristo! Sinto-me honrado de estar com vocês.

A Dom Alano, meu irmão maior, meu carinho e reconhecimento por tudo o que já fez e pela ajuda incomparável de seu apoio e sabedoria.

Às autoridades constituídas, aos irmãos de outras denominações cristãs e a todas as pessoas de boa vontade quero dizer que estou totalmente aberto ao diálogo e ao empenho de buscar a justiça e a paz.

Confio na graça de Deus. Darei tudo de mim para ser um bispo servidor do Evangelho. Preciso e conto com o apoio e a oração de todos para ser fiel a esta missão. Rezemos juntos. Caminhemos juntos. Deus nos escolhe, nos chama e nos envia para ser a transparência de seu amor no mundo. Seja essa confiança o estrado firme onde repousem nossos pés.

Unidos na oração e no coração, envio a todos a minha bênção.

+ Dom José Francisco Rezende Dias
Arcebispo Eleito de Niterói
(Fonte: Arquidiocese de Niterói)

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

A LITURGIA CRISTÃ AJOELHA-SE DIANTE DO SENHOR CRUCIFICADO E ELEVADO!


Deparo-me agora com um artigo[1] publicado pelo Niterói Católico, órgão oficial de informação da Arquidiocese de Niterói/RJ, que parece não corresponder exatamente àquilo que é a orientação da Igreja.
Sob o título “Ajoelhar-se ou ficar de pé? Eis a questão”, encontra-se uma enxurrada de informações que carece de algum aprofundamento e, não menos de fundamentação. Para nos colocar à par do conteúdo do texto, passamos a um rápido resumo:
O centro do debate é a posição da assembleia durante a Anáfora: se deve permanecer de pé ou ajoelhada, como é costume em nossas celebrações. Necessitamos de clareza inicial sobre o status quo do debate que o autor deseja trazer à peito. Analisemos:
“O ajoelhar-se durante a prece Eucarística, é um dos temas que tem gerado muitas discussões. Pode-se dizer que isso é reflexo de mais de mil anos de uma fé devocionista que nos distanciou da prática ritual-celebrativa da Igreja primitiva. E Hoje após quase cinquenta anos do Concílio Ecumênico Vaticano II, que propôs a volta às fontes, colhemos os resquícios desse período”.

Podemos perguntar o que é reflexo de mais de mil anos de uma fé devocionista: as muitas discussões ou o ajoelhar-se durante a prece eucarística? Se o problema é o desenvolvimento do debate litúrgico, devemos tomar um viés para análise do tema, mas se é o gesto de ajoelhar-se, em si, cabe outro tipo de reflexão. Vamos tentar responder a ambos os pontos.
Um renomado teólogo, ao nos introduzir no espírito da liturgia, dedica sete páginas de sua obra somente sobre esse assunto. É claro que facilmente poder-se-ia refutar o argumento com base no fato de o autor não ser latino-americano e, por isso, não entender a “inculturação” da liturgia no Brasil. Contudo, não obstante à nacionalidade germânica, não devemos deixar de estar atentos à palavra de Joseph Ratzinger[2] em seu livro “Introdução ao espírito da liturgia” [3].
Analisando a “história do gesto de ajoelhar”, passa em revista a recusa dos Romanos e Gregos, sob o argumento de que “ajoelhar-se não seria digno do homem livre nem condiria com a cultura grega, sendo assunto de bárbaros” [4] e dá voz à negativa de Agostinho de ajoelhar-se diante de falsos deuses.
Explica o autor: “Olhando a história podemos constatar que tanto os Gregos como os Romanos rejeitavam a posição de joelhos. Perante os deuses parciais e desunidos... tal comportamento tinha plena justificação: para estes povos, era por demais evidente que esses deuses não eram Deus, mesmo dependendo do seu poder caprichoso e tendo sido obrigados a assegurar-se, quando possível de sua benevolência (...) Agostinho dá-lhe [à Aristóteles], de certo modo, razão: as divindades falsas seriam apenas máscaras de demônios, que sujeitam o Homem à adoração do dinheiro e ao egocentrismo, tornando-o deste modo, servil e supersticioso” [5].
Remarca ainda que o gesto de ajoelhar-se se origina na própria Sagrada Escritura, já que a palavra proskynein[6] aparece 59 só no Novo Testamento. Ajoelhar-se, segundo Ratzinger, tem para o Antigo Testamento, o sentido de rebaixar as forças diante de Deus como forma de reconhecimento de seu poder que origina tudo o que temos[7], uma forma clara de adoração.
Nos Atos dos Apóstolos, falam-se da oração de São Pedro (9,40), de São Paulo (20,36) e de toda a comunidade Cristã (21,5) em posição de joelhos.
Fica provado assim que o argumento de que os primeiros cristãos partiam o pão, nas casas (domus ecclesia), celebravam nas catacumbas, se reuniam ao redor da mesa e que, por não haver bancos ou genuflexórios nestes lugares, todos ficavam de pé, ao redor do centro, do altar, resulta em inválido, por não corresponder aos referentes bíblicos.
Se o argumento fosse válido, a fortiori ratione, deveríamos ter que retirar o altar, os bancos, o sacrário, os retábulos, o ambão e outras coisas... E para reduzir ao absurdo, creio que se devemos propor uma volta naqueles termos, por que não usarmos o mesmo estilo de roupas que os primeiros cristãos?
Se a palavra do teólogo Joseph Ratzinger não nos servir de posição abalizada, ao menos nos sirvam as palavras da Exortação Apostólica Pós-Sinodal Sacramentum Caritatis[8] de Sua Santidade Bento XVI. O documento agora mencionado trata, no número 65 da reverência à Eucaristia e assim se expressa:

Penso, em geral, na importância dos gestos e posições, como, por exemplo, ajoelhar-se durante os momentos salientes da Oração Eucarística. Embora adaptando-se à legítima variedade de sinais que tem lugar no contexto das diferentes culturas, cada um viva e exprima a consciência de encontrar-se, em cada celebração, diante da majestade infinita de Deus, que chega até nós humildemente nos sinais sacramentais.”[9]

Quais mais palavras deveriam ser ditas para indicar a importância do ajoelhar na Consagração durante a Oração Eucarística. Se houve algum questionamento no pensamento do autor do artigo quanto a melhor atitude de exprimir o que celebramos, os documentos recentes da Igreja o dirimem logo nas primeiras olhadelas.
Outra tensão que não ficou bem clara naquele artigo foi a que existe entre “o Banquete” e “o Sacrifício”. Não raro, esse tema causa alguma dificuldade. Devemos lembrar que a palavra “Católica” significa universal e açambarca o sentido de totalidade de modo que não se pode partir de uma escolha entre uma das partes, mas do todo[10].
Se de um lado é verdade que o banquete da alegria é um aspecto da missa, também é verdade que o sacrifício também o é. Isso nos faz compreender o Apocalipse de São João que nos mostra a liturgia celeste onde, no altar do sacrifício está o Cordeiro imolado e de pé[11]! Entre lágrimas copiosas por não haver quem abrisse o livro da história, João é chamado a alegrar-se porque vencera o Leão de Judá que poderá abrir o livro.
Essa mística penitencial e festiva é expressa no próprio andamento das partes da missa que, no ato penitencial nos convida a reclusão e no Glória nos convida à alegria. Respeitar esses momentos é imprescindível para uma celebração frutuosa da liturgia [12].
Parte desta tensão é também a realidade mística da missa que transcende o tempo. No entanto isso não significaria dizer exatamente que estamos no céu. É óbvio que não estamos no céu, por que se assim fosse não o deixaríamos mais. Vale a pena lembrar a expressão advinda da escatologia que remarca aquela tensão de que faláramos: “já, mas ainda não”.
Diante de tudo isso, vale a pena perguntar: Qual o sentido do ajoelhar-se na celebração Eucarística[13]?
É duplo o significado. Em primeiro lugar o de súplica, pequenez. O homem reconhece sua condição criatural e a condição Divina de Deus. Ajoelha-se diante de Deus como um pequenino que d’Ele tudo deseja e espera receber. Ao mesmo tempo, de adoração por que aquele Deus de quem ele recebe tudo, é também o Deus sumamente bom que “trabalha” muito mais pela salvação do homem que o próprio homem.

Existem algumas coisas que merecem relevo:

1)    Dentre os cânones do Concílio de Nicéia[14] (325), é bem verdade, há a recomendação de que, nos dias do Senhor em Pentecostes, todos devem rezar de pé e não ajoelhados. Mas daí a dizer que há uma proibição, não se sustenta. As pessoas não ajoelhavam no domingo por uma questão penitencial (no domingo não se fazia penitência), mas, no segundo milênio a Igreja trouxe de volta o aspecto de adoração e reverência diante da majestade divina que, como vimos, já era usual no ambiente neo-testamentário.
2)    Nós não podemos escolher a postura que devemos tomar na liturgia sob pena de um relativismo litúrgico. As prescrições litúrgicas da Instrução Geral ao Missal Romano dizem:

“A posição comum do corpo, que todos os participantes devem observar é sinal da comunidade e da unidade da assembleia, pois exprime e estimula os sentimentos e pensamentos dos participantes” [15]

3)    As dimensões da teologia do múnus sacerdotal, que entre o padre e os demais fiéis é complementar, mas distinto, fica evidenciado uma vez que, na Oração Eucarística, o padre está exercendo seu múnus sacerdotal ministerial enquanto os demais fiéis o fazem mediatizados pelo padre.
4)    A mesma Instrução Geral diz: “Ajoelhem-se durante a Consagração, a não ser que a falta de espaço, ou o grande número de presentes ou outras causas razoáveis não o permitam”[16], não deixando margem nenhuma para uma escolha por parte do fiel (usa o verbo “ajoelhar” no imperativo) e coloca como exceção bem definida o fato de não se ajoelhar.
5)    O fato de não haver uma codificação da genuflexão nas normativas antigas não significa, nós bem o sabemos, que não era prática entre os cristãos. A guisa de exemplo, podemos ver muitas situações em que o uso precedeu à normativa (a Assunção de Maria é um bom exemplo).

Uma ultima palavra:

Nossa intenção, ao responder aquele artigo publicado no Órgão oficial da Arquidiocese de Niterói é simples e reside em dois motivos:
A palavra grega σκοπεύω[17], de onde vem a palavra “Epíscopo”, significa “ver”. Daí ser um dos ofícios do padre, como colaborador do Bispo, ajuda-lo a ver aquilo que pode levar à comunidade ao erro.
Depois, uma grande parte de nossos leigos tem acesso ao Niterói Católico e, por ser um órgão oficial, deve ser sempre teologicamente revisado e não pode conter, de modo algum, quaisquer imprecisões que causem confusão às pessoas que são sinceras, mas desavisadamente leem os artigos lá constantes.
Ainda é necessário ressaltar que devemos sempre zelar pela reta doutrina e disciplina e que reflexões que sejam dissonantes do que nos ensinam os livros litúrgicos e os documentos magisteriais devem ser evitados, como nós mesmos afirmamos quando fazemos nossa profissão de fé, que por ocasião da Sagrada Ordenação, que no ato da posse canônica.

Visamos esclarecer as imprecisões relativas ao gesto reverente de genufletir bem como o debate sobre seu uso. Percorremos a sadia teologia de Ratzinger e o magistério da Igreja, principalmente as expressões da Instrução Geral ao Missal Romano, e a tradição para chegarmos a conclusão de que é legitimo e obrigatório ajoelhar-se durante a Anáfora não só por respeito às rubricas contidas nos livros litúrgicos, mas, sobretudo, por reverente reconhecimento de nossa pequenez e adoração diante de Deus.



[1] Fróes, Pe. Marcelo. “Ajoelhar-se ou ficar de Pé? Eis, a questão!” in Niterói Católico, outubro de 2011. Ano 48, n. 548, p. 9.
[2] A respeito do autor, podemos dizer que embora a obra que se citará não seja um documento pontifício e não tenha força da autoridade magisterial, podemos afirmar com certeza que, por sua própria personalidade, Joseph Ratzinger constitui uma voz extremamente abalizada por ter sido perito do Concílio Vaticano II, de modo que seu pensamento, de certo modo, é uma voz que ressoa das fontes do Concílio e, ainda mais, sua teologia se mostra autêntica e segura, isto é, confiável.
[3] RATZINGER, Joseph, Introdução ao Espírito da Liturgia. São Paulo: Paulinas, IV Ed. 2011, pp. 136 – 143.
[4] Ibid. p 137.
[5] Ibidem.
[6]  Em grego προσκυνειν
[7] Cf. Opus Cit. p. 141.
[9] Grifo nosso.
[10] A propósito, a origem da palavra heresia (do latim haerĕsis, por sua vez do grego αἵρεσις, “escolha” ou “opção”, remonta a ideia de assumir somente uma parte e não o todo.
[11] Cf. Ap 5, 6 – isto é, morto e ressuscitado. 
[12] A propósito do Livro Apocalipse de São João, a palavra proskynein aparece 24 vezes.
[13] O autor diz “Diante de tudo isso, vale a pena perguntar: Qual o sentido do ajoelhar-se na celebração Eucarística para mim?”. Ora, não se pode particularizar uma matéria universal e, uma vez que a liturgia não é “minha” (aliás, atestam-no os documentos magisteriais), não se entende, no contexto do debate a expressão “para mim”, redundando em absurdo.
[14] Cânon XX
[15] IGMR 20. Grifo nosso.
[16] Ibid. 21
[17] Skopeuo, literalmente significa “objetivo”, “pretender”, “ter em vista”. O radical está presente em palavras como telescópio que remontam a ideia de ver, enxergar.

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

MATRIMÔNIO E SEGUNDA UNIÃO


Respondendo à pergunta enviada por e-mail, trazemos uma reflexão sobre o matrimônio e os casais em segunda união. Agradecemos a participação de nosso leitor e esperamos ter respondido de maneira satisfatória.


  
INTRODUZINDO O TEMA

O tema que agora temos diante dos olhos é bem complexo por vários motivos. De um lado, por que toca no sentimento (e traz toda carga emocional de vida) das pessoas e de outro por que é inegociável um princípio, sob pena de perdermos o foco e o eixo da fé, isso significa dizer que se nossa prática pastoral não concorda com a revelação, fatalmente nos carregaria para a traição daquilo que Deus quis para a Igreja.
O que comumente se chama de pastoral da “segunda união” ou de “recasados” é o nosso foco. Mas devemos, antes de qualquer coisa, admitir que nosso espaço não seja o apropriado para debater esse assunto. Cabe-nos, com limitações impostas pelo meio (as limitações de um blog), apontar algumas reflexões sobre o tema e uma alternativa pastoral.
Contudo, não podemos tocar no tema de nosso objetivo sem antes colocar sólidas raízes da doutrina católica. Destarte abordaremos o tema partindo do próprio matrimônio, para depois vislumbrar o vasto campo de trabalhos e, só depois dessa visão, propor uma reflexão sobre as “uniões de fato”.

1)    PALAVRA INICIAL: O QUE É O MATRIMÔNIO?

Convivemos com uma esquizofrenia[1] social por que, se de um lado fez-se questão de destruir o matrimônio como o conhecíamos, a saber, aliança e comunidade conjugal indissolúvel, introduzindo rupturas que o descaracterizaram, de outro, vemos discursos inflamados por parte de militâncias homoafetivas a fim de requererem um chamado direito a verem suas uniões reconhecidas. [2]
Neste ambiente doente é que sentimos pesar sobre nossas cabeças a responsabilidade anunciar um futuro que seja justo e misericordioso, isto é curado[3] para a família, núcleo da sociedade.

a)    Noção canônica

A Palavra “matrimônio” designa indistintamente a celebração do matrimônio (no sentido de bodas, núpcias, aliança, ou consentimento matrimonial) e o estado ou situação de casados (comunidade conjugal, vínculo conjugal). No direito canônico diz-se, no primeiro caso, matrimônio in fieri, enquanto aliança e no segundo caso, in facto esse, ou seja, o estado matrimonial.
O cânon 1055 (cân. 1055) recolhe em seu enunciado um conceito em termos jurídicos. Assim, matrimônio é o pacto pelo qual o homem e a mulher constituem entre si o consórcio de toda a vida, por sua índole natural ordenado ao bem dos cônjuges e à geração e educação da prole. [4]
Para além de uma terminologia fria, o Código de Direito Canônico (CIC) mostra uma grande intuição sobre o matrimônio, isto é, que o matrimônio é o “ambiente” propício para o bem do homem e da mulher e, por isso, neste ambiente sadio e ordenado para o bem encontra espaço o dom da maternidade/paternidade a que se responde com o cuidado ou educação dos filhos.
Daí, naturalmente se chega que os predicados que fluem da essência do matrimônio. São predicados essenciais do matrimônio a unidade (impossibilidade de vínculos simultâneos) e indissolubilidade[5] (impossibilidade de vínculos sucessivos a não ser em caso de morte do cônjuge precedente).
O ato da vontade que produz o matrimônio é o consentimento, cujo objeto é a entrega mútua de um homem a uma mulher, estando aqui resolvidas as finalidades do matrimônio referidas acima.
Por este corolário de definições técnicas chega-se à compreensão de que a comunhão de toda a vida requer a entrega mútua e total da pessoa no matrimônio.

b)   Pistas doutrinais

 Para além de um ordenamento jurídico, o matrimônio é uma vocação abraçada na liberdade e responsabilidade para formar realmente uma comunidade de vida e amor, principais pilares da comunhão.  Queremos deixar algumas pistas doutrinas para o aprofundamento do tema.
O Catecismo da Igreja Católica (CCC) trata o tema do matrimônio no artigo sétimo e, colocando o amor como base do relacionamento entre homem e mulher, expressa que a vocação ao matrimônio é querida pelo Criador, não sendo simplesmente um arranjo humano, mas vocação “inscrita na própria natureza do homem e da mulher, conforme saíram da mão do Criador” [6].
Do Gênese ao Apocalipse, o Catecismo realça a fundamentação bíblica do matrimônio. Apontando os desígnios de Deus e as desordens advindas, não da natureza do ser humano, mas do pecado, apresenta uma síntese da doutrina do matrimônio.
Cabe ressaltar que a aliança nupcial entre o homem e a mulher, segundo o Catecismo é análoga às núpcias entre Deus e seu povo, isto é, entre o Cordeiro e a Noiva, o Cristo e sua Igreja.
“Todavia, a vida cristã traz a marca do amor esponsal de Cristo e da Igreja. Já o Batismo, entrada no Povo de Deus, é um mistério nupcial: é, por assim dizer, o banho das núpcias que precede o banquete das núpcias, a Eucaristia. O Matrimônio cristão se torna, por sua vez, sinal eficaz, sacramento da aliança de Cristo e da Igreja.” [7]
 Ao mesmo tempo em que se recoloca o plano de Deus para a vida conjugal, com base na assertiva do Senhor: “Disse-lhes ele: Moisés, por causa da dureza dos vossos corações, vos permitiu repudiar vossas mulheres; mas ao princípio não foi assim” [8], o Catecismo também apresenta um plano de vida para o matrimônio, a saber, A Igreja doméstica[9].
De modo didático, o novo YouCat, com uma linguagem jovem e mais prática caminha nos passos do Catecismo. Partindo do texto de Mt 19,5[10] orienta a sacramentalidade e a fecundidade na experiência do verdadeiro amor que transborda abrindo espaço para a vida, quer no bem do casal, quer nos seus filhos.  Assim o matrimônio é ambiente para o amor em toda a sua plenitude e bondade.
Contra a cultura do descartável, o Setor Juventude da CNBB, no seu Subsídio Afetividade e Sexualidade[11], com o intuito de realçar a fidelidade matrimonial, encartou um fascículo com o tema “Ficar, eu te conheço?” [12]·, onde explica que “O ficar acaba ganhando uma faceta muito fria. Usar e descartar alguém sem respeitar sua identidade e sentimentos é desvalorizar a pessoa”.

c)    Noção existencial

Nestes termos, parecem depreenderem-se duas realidades do fato próprio do matrimônio. Uma coisa é “casar-se” e outra “estar casado”. Em outras palavras, o fato de ter havido um sacramento e a frutuosidade do mesmo são duas instâncias que, embora interdependentes, são distintas.
O “estar casado” deve resolver-se na construção diária da comunidade de amor entre homem, mulher e seus filhos de modo que realizem na sua existência aquilo que celebraram, isto é, fazer concordar o ato de fé com o fato da vida.
Decorre daí o fato de que a liberdade da qual se reveste o matrimônio não é dissociada da responsabilidade [13], mas a supõe quando dos nubentes dependem amarem-se a fim de converterem-se realmente em esposo e esposa, vivendo de acordo com sua condição de casados.
No matrimônio, comunidade é o modo de relacionarem-se homem e mulher diante de Deus, valorizando-se cada um por si mesmo com base da diferenciação e complementaridade enquanto vivem uma verdadeira espiritualidade conjugal. Homem e mulher, orientados um para o outro, não perdem, portanto, sua personalidade e individualidade, mas se completam e suprem e elevam-se a Deus.
Neste ponto a maior expressão dessa realidade é a complementaridade sexual que expressa em concreto tudo o quanto temos dito. A beleza do sexo deixa entrever, num só ato, a diferenciação, a comunidade, a complementaridade, o amor, a abertura para a vida realizando assim a dimensão unitiva fundamentada no bem mútuo e na cooperação entre esposos para o bem da família.

2)    OS PROBLEMAS

Não raro, vemos casais chegaram ao matrimônio sem levar em conta essas observações que fizemos nos tópicos precedentes e, lamentavelmente, quer pela imaturidade ao assumir tão nobre estado de vida, quer pela falta de preparação (de um lado pessoal, de outro moral), vemos casamentos celebrados esbarrarem em dificuldade que poderiam ser solucionadas com um pouco de empenho de ambas as partes.
Tratar desses problemas é um imperativo na Igreja, uma verdadeira obra de misericórdia. Como disse o bispo de San Sebastián, Dom José Ignacio Munilla, no último dia 8 de setembro, “Não podemos permanecer com os braços cruzados enquanto nossos familiares, conhecidos e vizinhos fracassam em seus projetos matrimoniais. É importante que, na medida em que consideremos oportuno, nós nos ofereçamos como canais de comunicação”.

a)    Como resolvê-los

Não é fácil abortar a solução para os problemas conjugas se não tivermos como base a intenção real do casal para adquirir disposições para superar crises e desentendimentos que decorrem do dia-a-dia num casamento.
Fatores que se tornam verdadeiras zonas de risco como convivência e harmonia, reciprocidade e amizade, conversa e entendimento são agravadas pela falta de maturidade humana e afetiva acrescidos de uma má experiência psicológica. Quando não há esforço humano pessoal há sempre a anulação de uma ou ambas as partes colocando o casal no isolamento.
O Pe. Henri Caffarel, das Equipes de Nossa Senhora declara:  “Não creio estar fazendo julgamento temerário se afirmar que s melhores casais cristãos, que jamais faltam com o dever de ajoelhar-se, cometem muitas vezes o pecado de não se sentar”[14].
Tão grave e urgente quanto o dever de rezar, portanto, torna-se o dever de dialogar abertamente sem desejar sobrepujar, ameaçar ou chantagear (de nenhum modo). Neste diálogo, não importa convencer, mas entender e ser entendido. Uma vez isso acontecido, todas as decisões tornam-se maduras e conjuntas.
É claro que se deve compreender e levar em conta as estruturas emocionais e afetivas do homem e da mulher. Sempre dizemos que não precisamos de um médico ou um psicóloga para mostrar as diferenças entre um homem e uma mulher, mas que estas podem ser percebidas à olho nu.
A esposa, ao procurar seu esposo para conversar, nem sempre quer uma solução para o fato – algumas vezes ela já a tem. O que ela deseja de fato é alguém para conversar, partilhar as preocupações. Contudo, o homem que, via de regra, tende ao praticismo, está sempre com uma resposta na ponta da língua. Embora tenha a melhor das boas intenções, a esposa sente que seu problema foi menosprezado pelo esposo e tem a impressão que ele não a acolheu. Aqui começa tudo!
É necessária a paciência para ouvir, mesmo que pareça para o esposo a coisa mais simples do mundo. A esposa não deseja uma solução, mas alguém para compartilhar a experiência.
De outro lado, as esposas são desconfiadas ao estremo e, talvez por isso, sejam inseguras. É necessário fazer um esforço mental para não deixar os fantasmas interiores sugerirem mentiras. Pode acontecer que o marido, ao chegar em casa cabisbaixo, silencioso, só esteja chateado com algo do trabalho ou com seu time que perdeu. Como os homens têm mais dificuldades em verbalizar seus sentimentos, a esposa cria os fantasmas e acredita neles.
É necessário saber dar o tempo de o esposo sentir-se a vontade para que ela possa perguntar o que houve e criar uma via de acesso ao interior do esposo para, em fim, tirá-lo da solidão emocional na qual a maior parte dos homens vivem.
Outro problema é ser resolvido é o ambiente físico. O lar de um homem precisa ser seu refúgio, sua proteção. Imagine o marido ao chegar em casa, cansado do trabalho, tendo tido um dia difícil, após pegar um ônibus lotado e com um milhão de problemas na cabeça (que variam entre contas à pagar e filhos à cuidar) ao chegar em casa encontra um ambiente sujo, bagunçado, com mal odor, barulhento... Depara-se com sua esposa suja, descabelada, com a louça na pia por lavar e as crianças ainda por cuidar... Estresse em cima de estresse resulta em problemas de relacionamento.
O lar deve ser limpo, asseado, organizado. A esposa precisa ter organizado sua casa (mesmo que não ela diretamente, já que muitas hoje em dia trabalham foram) para que seu marido tenha vontade de voltar para lá. Do contrário, relutará sempre em voltar para casa e preferirá outros ambientes que seu próprio lar.
Também o marido deve ter em conta de que, ao casar-se, não contratou uma empregada doméstica não remunerada! Isso seria fatal num relacionamento. É necessária a sua ajuda nas tarefas domésticas, mesmo que mínima que seja (lavar a louça, manter o banheiro limpo, não deixar coisas pelo chão e etc.). Atitudes comuns devem ser tomadas, para isso é fácil dividir as tarefas.
Essas são algumas sugestões que normalmente fazemos para melhorar a vida dos casais que se aproximam ou entram em zonas de conflito. Outras poderiam ser detectadas com uma conversa mais franca e demorada. Cada caso é um caso e cabe ao casal dialogar para encontrar as zonas de tensão de seus relacionamentos.
Também os filhos devem ser levados em consideração neste aspecto e não tem coisa mais difícil de resolver quando, no lar, o marido desautoriza a esposa ou vice-versa. Os filhos logo percebem esse ponto frágil e tomam proveito disso. É necessário combinar sempre as atitudes. Também não se pode ceder ao medo de dizer não aos filhos, mas não se deve deixar igualmente de explicar os motivos. Lembremo-nos que explicar os motivos não é debate-los. Um não é sempre um não!
Pedir perdão quando errar é um imperativo, mas percebamos que não é um simples “desculpe-me”. Pedir perdão é assumir que estava errado, ao passo que desculpar-se é não assumir o erro, mas leva-lo em conta de um mero acidente. Reconhecer o erro enobrece a pessoa.
Um lar em harmonia não é um lar que não tem desentendimentos, mas um lar que consegue superá-los com maturidade. Muito ainda se poderia dizer, mas deixo a cargo da experiência cotidiana revelar os mistérios e alegrias de uma relação familiar madura.

3)     As chamadas segundas uniões

Agora que já vimos o matrimônio em seus meandros, podemos considerar o objetivo de nossa reflexão: as chamadas segundas uniões. É necessário, contudo, um olhar atento ao magistério perene da Igreja que se manifesta atualizando a palavra de Deus nos nossos dias sem se descuidar de um acurado olhar para o homem.
Em 1981, o Beato João Paulo II, contempla na Exortação Apostólica Familiaris Consortio, no item IV, a pastoral familiar nos casos difíceis e ensina que “a separação deve ser considerada remédio extremo, depois que se tenham demonstrado vãs todas as tentativas razoáveis” e convida a comunidade cristã a não desamparar o cônjuge separado afim de que ele viva uma autentica vida cristã superando a solidão e conservar a fidelidade nesta situação cultivando o perdão e a possibilidade de abertura para reatar o casamento.
Sugere, assim, aos separados uma vida fiel, prescindindo de uma nova união resguardando assim a fidelidade a si e ao Senhor. Não raro vemos pessoas que se separaram e não contraíram novas núpcias a fim de permanecerem na comunhão eucarística.

“Análogo é o caso do cônjuge que foi vítima de divórcio, mas que - conhecendo bem a indissolubilidade do vínculo matrimonial válido - não se deixa arrastar para uma nova união, empenhando-se, ao contrário, unicamente no cumprimento dos deveres familiares e na responsabilidade da vida cristã. Em tal caso, o seu exemplo de fidelidade e de coerência cristã assume um valor particular de testemunho diante do mundo e da Igreja, tornando mais necessária ainda, da parte desta, uma acção contínua de amor e de ajuda, sem algum obstáculo à admissão aos sacramentos.” [15]
 Todo o esforço para que os que se encontram nesta situação não se sintam abandonados ou excluídos da Igreja é requerido principalmente da parte dos pastores.
Em 1997, na “XIII ASSEMBLEIA PLENÁRIA DO PONTIFÍCIO CONSELHO PARA A FAMÍLIA” ao reafirmar que os casais em segunda união não podem ser admitidos à mesa da comunhão e nem à confissão[16], expressa a necessidade de uma atenção ao casal e aos seus filhos, principalmente aos do casamento precedente.
Em 2000 o Pontifício Conselho para a família emanou, sob o comando do Card. Trujillo, o documento intitulado “FAMÍLIA, MATRIMÔNIO E “UNIÕES DE FATO” que incidiu luz sobre este tema. Embora o termo “uniões de fato” não diga respeito somente aos casais em segunda união, este documento abrange bem a concepção estranha do mundo moderno sobre o matrimônio e denuncia erros que redundam em minimização do matrimônio e, consequentemente, da família.
Realça principalmente o valor que há na família tal como querida por Deus não só para os seus entes, mas também para a sociedade como um todo. Distingue as várias modalidades de “uniões” e corrige o erro do chamado “amor livre” que, exatamente por não compreender o sentido mais puro de responsabilidade, contradiz-se por que o amor será tanto mais livre quanto mais responsável e não há responsabilidade real se o amor não for uma resposta ao que Deus quis originariamente.

a)    Vida em Cristo na Igreja

A Vida em Cristo e na Igreja aos casais que se encontram em segundas núpcias não está vedada, por conta daquela restrição à comunhão eucarística. Não estão impedidos de viver uma verdadeira comunhão com Cristo na Igreja e, exatamente por isso, gozam os fiéis nessa situação da solicitude dos pastores.
A Congregação para a Doutrina da fé lembrou que “é necessário esclarecer os fiéis interessados para que não considerem a sua participação na vida da Igreja reduzida exclusivamente à questão da recepção da Eucaristia. Os fiéis hão de ser ajudados a aprofundar a sua compreensão do valor da participação no sacrifício de Cristo na Missa, da comunhão espiritual, da oração, da meditação da palavra de Deus, das obras de caridade e de justiça” [17].

b)   Comunhão Eucarística

Decerto, reiteradas vezes o Magistério se pronunciou nesta matéria, mas de modo mais explícito, o Card. Josef Ratzinger, na Carta aos Bispos da Igreja Católica a Respeito da Recepção da Comunhão Eucarística por Fiéis Divorciados Novamente Casados resgata sinteticamente, porém suficientemente, a doutrina católica mostrando que não se trata, contudo, de uma punição ou discriminação, mas de uma impossibilidade real, uma vez que seu estado de vida contradiz aquela união entre Cristo e a Igreja que é expressa pela comunhão.
Ademais, há que se ter aquela recomendação de São Paulo, segundo a qual “Todo aquele que comer do pão ou beber do cálice do Senhor indignadamente será réu do Corpo e do Sangue do Senhor. Por conseguinte que cada um examine a si mesmo antes de comer desse pão e beber desse cálice, pois aquele que come e bebe sem discernir o Corpo, come e bebe a própria condenação” [18]. Desta forma, quando a Igreja reafirma a impossibilidade da comunhão eucarística aos novamente casados o faz por zelo e cuidado, para que não sejam condenados.
Não obstante, não lhes fica vedada a contemplação fervorosa da hóstia. Essa comunhão espiritual se torna uma verdadeira comunhão à medida que se torna uma “manducatio per visum” [manducação pelo olhar], não só na missa, mas também na vigílias eucarísticas, na adorações e bênçãos do Santíssimo.

c)    Pastoral e participação

Embora os documentos da igreja falem em uma participação ativa na vida pastoral da comunidade, não especificam exatamente em que campo poderia atuar um casal que se encontra em segundas núpcias. No entanto, é possível entrever algumas pistas desta atuação na Familiaris Consortio[19]:
“Sejam exortados a ouvir a Palavra de Deus, a frequentar o Sacrifício da Missa, a perseverar na oração, a incrementar as obras de caridade e as iniciativas da comunidade em favor da justiça, a educar os filhos na fé cristã, a cultivar o espírito e as obras de penitência para assim implorarem, dia a dia, a graça de Deus. Reze por eles a Igreja, encoraje-os, mostre-se mãe misericordiosa e sustente-os na fé e na esperança.”
 A frequência à Santa Missa e a escuta da palavra de Deus permanecem um dever de amor, acima de qualquer coisa. Não existiria real impedimento de um casal de segunda união que tenha comprovada vida eclesial e sérias disposições em viver, naquilo que podem, os mandamentos da Igreja participar da liturgia da missa fazendo leituras ou participando da animação litúrgica (momentos como a procissão das ofertas, comentaristas das missas, cantando no coro ou em ministérios de música). Algumas atividades que envolvam, pela força do ofício, a comunhão eucarística (tais como o ministério do Acolitato ou mesmo o ministério da distribuição eucarística e a função de catequista) consistiriam numa dificuldade para os recasados por força da necessidade da prática da comunhão eucarística.
Outro vasto campo de ação pastoral encontra-se nas pastorais caritativas e nos grupos de estudo bíblico-catequético onde são convidados a escutarem atentamente à Palavra de Deus.
Abre-se também um grande campo de atuação nos grupos de oração e de evangelização onde poderão dar verdadeiro testemunho de perseverança e fé animando a outras pessoas a participarem igualmente da vida na Igreja. Os pastores devem empenhar-se em criar oportunidades para retiros e atividades que instem a convivência fraterna entre os casais em segunda união num verdadeiro clima de unidade e fraternidade.

CONCLUSÃO

Como pudemos perceber, não resulta em trabalho de pouca monta perfazer a noção exata do Magistério da Igreja no que diz respeito ao matrimônio e as situações especiais. A Igreja tem buscado acolher e orientar os casais de modo que não se vejam frustrados os projetos matrimoniais ao mesmo tempo em que tenta assistir os casais em segunda união.
Via de regra, não se pode esquecer que a situação especial, mesmo que compreensível, não garante justificativa para admitir à comunhão eucarística os casais em segunda união que deverão ser instruídos sobre seu estado com a clareza e a franqueza que se hauri do Evangelho.
A verdade não exclui a gentileza, antes a requer de modo a acolher sempre a pessoa reconhecendo a dignidade da qual é constituída e que deve ser respeitada conferindo ao casal em segunda união a acolhida misericordiosa de Cristo.


[1] [Do grego Σχιζοφρένεια] esquizofréneia (esquizo- + grego phrên, -enós, diafragma, coração + -ia).  Para além de um sentido psiquiátrico, onde esquizofrenia significa “mente dividida” significando a dissociação entre a realidade e o pensamento da pessoa, se prestássemos atenção à etimologia da palavra grega perceberíamos a verdadeira doença que toca a sociedade hoje: Um coração isolado da realidade pelo diafragma dos vícios que debilitam o escolher.
[2] Interessante foi a percepção do escritor Luís Fernando Veríssimo: “Quando o casamento parecia a caminho de se tornar obsoleto, substituído pela coabitação sem nenhum significado maior, chegam os gays para acabar com essa pouca-vergonha.”
[3] [do grego Sozo] sozo: a palavra grega pode ser tanto traduzida pelo verbo curar, como pelo verbo salvar.
[4] Estão aqui estabelecidas finalidades do matrimônio: bem dos cônjuges, geração e educação dos filhos.
[5] A indissolubilidade pode ser dita intrínseca (impossibilidade de ruptura do vínculo pelo próprio cônjuge) e extrínseca (impossibilidade de ruptura pela autoridade pública embora, neste caso, admitam-se algumas exceções Cf. Cân. 1141-1150).  
[6] Cf. CCC. 1603
[7] CCC. 1617
[8] Mateus 19,8
[9] CCC. 1655
[10] “Mt 19, 4-5: “Respondeu-lhes Jesus: Não lestes que o Criador, no começo, fez o homem e a mulher e disse: Por isso, o homem deixará seu pai e sua mãe e se unirá à sua mulher; e os dois formarão uma só carne”
[11] CNBB. Aos Jovens com Aféto. Subsídio Afetividade e Sexualidade v. II. Brasília: Edições CNBB, 2011.
[12] Ibidem, fascículo 28.
[13] Isto é, obrigação de responder pelas ações próprias, pelas dos outros ou pelas coisas confiadas.
[14] In: CASTRO, Flávio Cavalca de. Casal em Diálogo. 7Ed. Aparecida. Editora Santuário,2007. p.7.
[16] “A reconciliação pelo sacramento da penitência - que abriria o caminho ao sacramento eucarístico - pode ser concedida só àqueles que, arrependidos de ter violado o sinal da Aliança e da fidelidade a Cristo, estão sinceramente dispostos a uma forma de vida não mais em contradição com a indissolubilidade do matrimónio. Isto tem como consequência, concretamente, que quando o homem e a mulher, por motivos sérios - quais, por exemplo, a educação dos filhos - não se podem separar, «assumem a obrigação de viver em plena continência, isto é, de abster-se dos actos próprios dos cônjuges»” Ibid. n 84
[17] Cf. CONGREGAÇÃO PARA A DOUTRINA DA FÉ, Carta aos Bispos da Igreja Católica a Respeito da Recepção da Comunhão Eucarística por Fiéis Divorciados Novamente Casados, n 6 in http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/documents/rc_con_cfaith_doc_14091994_rec-holy-comm-by-divorced_po.html consultado em 04/10-2011
 [18] (1 Cor 11,27-29)
[19] Cf. Familiaris Consortio, n 84