Páginas

segunda-feira, 18 de agosto de 2014

NOTA DE REPÚDIO

NOTA DE REPÚDIO

“Os Cristãos... amam a todos e são perseguidos por todos; são desconhecidos e, apesar disso, condenados; são mortos e, deste modo, lhes é dada a vida; são pobres e enriquecem a muitos; carecem de tudo e tem abundância de tudo; são desprezados e, no desprezo, tornam-se glorificados; são amaldiçoados e, depois, proclamados justos; são injuriados, e bendizem; são maltratados, e honram; fazem o bem, e são punidos como malfeitores; são condenados, e se alegram como se recebessem a vida”.
(Carta à Diogneto, Século I).

      A intolerância, o vandalismo e as atitudes de violência, mesmo que tidas comumente como atitudes vergonhosas, são práticas muitas vezes recorrentes principalmente contra cristãos católicos no mundo de hoje.
      As pichações, como insultos ao sentimento religioso e a religiosidade, que se expressaram no ato de depredação da Matriz Histórica de Nossa Senhora da Conceição, no Centro de Rio Bonito, denotam não só a falta de respeito pelo senso religioso, mas também o vilipêndio da compreensão histórico-cultural da Igreja Católica em Rio Bonito, no Brasil e no mundo.
      A bem da verdade, vemos por parte de uns poucos maldosos a tentativa de denegrir o grande patrimônio humanístico legado pela Igreja Católica – presente no Brasil desde a chegada dos colonizadores e, em Rio Bonito, desde 1755, quando da construção da Capela Madre de Deus. Tanto o Brasil quanto a Cidade de Rio Bonito foram construídos sob os auspícios da Igreja Católica que sempre esteve presente e atuante na construção não só da nação e da cidade, mas também de cada pessoa e de todas as pessoas de quem se fez tutora não só dos direitos, mas também da dignidade.
      Configura-se como um retrocesso à barbárie os fatos que nos surpreenderam no final de semana próximo passado e não podem ser encarados como simples atos de vandalismo, mas como uma ofensa grave ao direito de liberdade de culto e ao sentimento religioso de nossa cidade. Tais atos merecem veementes repúdios.
      Nós da comunidade de Nossa Senhora da Conceição de Boa Esperança expressamos nossa repulsa a quaisquer atos de vandalismo e intolerância religiosa contra todas e quaisquer religiões, bem como extremo repúdio aos atos que profanaram a Matriz Histórica da Paróquia de Nossa Senhora da Conceição no Centro de Rio Bonito.
      Expressamos igualmente nossos vívidos sentimentos de apoio ao Revmo. Pe. Eduardo Braga e Silva, bem como a toda Comunidade Paroquial de Nossa Senhora da Conceição do Centro de Rio Bonito, lembrando aquelas linhas da famosa e primitiva Carta à Diogneto, onde um cristão apresentava a um romano os motivos pelos quais cremos em Cristo, apesar das perseguições:
       
“Em poucas palavras, assim como a alma está no corpo, assim estão os cristãos no mundo. A alma está espalhada por todas as partes do corpo, e os cristãos estão em todas as partes do mundo. A alma habita no corpo, mas não procede do corpo; os cristãos habitam no mundo, mas não são do mundo. A alma invisível está contida num corpo visível; os cristãos são vistos no mundo, mas sua religião é invisível. A carne odeia e combate a alma, embora não tenha recebido nenhuma ofensa dela, porque esta a impede de gozar dos prazeres; embora não tenha recebido injustiça dos cristãos, o mundo os odeia, porque estes se opõem aos prazeres. A alma ama a carne e os membros que a odeiam; também os cristãos amam aqueles que os odeiam. A alma está contida no corpo, mas é ela que sustenta o corpo; também os cristãos estão no mundo como numa prisão, mas são eles que sustentam o mundo. A alma imortal habita em uma tenda mortal; também os cristãos habitam como estrangeiros em moradas que se corrompem, esperando a incorruptibilidade nos céus. Maltratada em comidas e bebidas, a alma torna-se melhor; também os cristãos, maltratados, a cada dia mais se multiplicam. Tal é o posto que Deus lhes determinou, e não lhes é lícito dele desertar”.

Em Cristo,

Pe. Fabiano de Carvalho Silva
Pároco de Nossa Senhora da Conceição – Boa Esperança