Páginas

terça-feira, 13 de abril de 2010

Pulseiras do Sexo e Juventude Católica


Nota: Escrevi e publiquei este artigo na coluna "A Igreja na Moral" do Informativo da Paróquia Nossa Senhora Auxiliadora.
CARVALHO, Fabiano. Pulseira do Sexo e a Juventude. Toque de Deus, n. 17. São Gonçalo, Abril de 2010, A Igreja na Moral.
No dia 31 de março passado, o site do Estadão (http://www.estadao.com.br/noticias/cidades,adolescente-e-estuprada-por-ter-estourado-pulseira-do-sexo,532053,0.htm) noticiou um incidente ocorrido em Londrina, no norte do Paraná, envolvendo uma adolescente de 13 anos, um jovem de 18 e mais três menores. Tratou-se de um estupro! No entanto, um fato era inusitado: a menina usava as famosas pulseiras do sexo.
Àqueles que ficaram de queixo caído, cabe uma explicação. Na Inglaterra, surgiu uma nova "moda" que consiste em usar pulseiras – aparentemente inocentes – com cores bem significativas. Não são significativas pela sua tonalidade, mas pelos códigos que comunicam mensagens sexuais. Cada cor significa uma atitude erótica que vai da cor amarela (que significa um simples abraço), passando pela dourada (que significa sexo oral simultâneo) até chegar à preta (que significa o ato sexual propriamente dito).
Aquilo que parece um simples adorno traz consigo uma ideologia do sexo desregrado e sem sentido tirando a beleza da sexualidade e até mesmo a pureza da inocência infanto-juvenil. Os problemas por detrás do uso de uma simples pulseira são muitos e gostaria de enumerá-los agora:
a). A destruição da castidade: é sabido que há um programa de destruição de virtudes cristãs como a castidade. Desde há muito tempo, em nossa televisão, nos programas para adolescentes e jovens, nos outdoors e em qualquer meio de comunicação, cada vez mais erotizados, vemos uma campanha maciça que traz em seu bojo sugestões e insinuações – e às vezes até explicitamente – de apelo sexual;
b). O estímulo à concorrência entre adolescentes: os adolescentes são estimulados a sobressair aos outros por meio de atitudes negativas e para isso acabam fazendo aquilo que de fato não o fariam a não ser por destaque e certo status entre os outros companheiros;
c). Falta de controle por parte dos pais, que sob o pretexto de uma pseudo liberdade, não exercem o dever da educação e da coerção deixando seus filhos sem o limite que implica a liberdade;
d). Falta de valores: cada vez mais destruídos os conceitos de bem e belo, os adolescentes e jovens não encontram paradigmas sobre os quais apoiarem suas vidas. Isso redunda na inexistência de metas para além do bem estar físico e na total negligencia dos verdadeiros valores;
e). Demolição do senso ético, moral e social: quando não se encontra estímulo para os valores e não se encontram claros os conceitos éticos e estéticos, a tragédia se alastra para o campo ético e moral com influxos diretos no campo social. Uma juventude apática com os problemas que o circundam e cada vez mais alheios à solidariedade.
Todas essas conseqüências decorrem de uma simples pulseira? À primeira vista alguém poderia dizer um exagero afirmar que uma simples pulseira seja capaz de trazer após si um cortejo de misérias, o fato é que todas essas aberrações têm sido verificadas entre os adolescentes e jovens de nosso tempo.
Seria enganoso dizer que o ocorrido depois do lançamento da pulseira seria por causa da pulseira se não tivéssemos em mente o ocorrido citado no começo deste artigo: por causa de uma pulseira uma menina de 13 anos foi estuprada por um jovem de 18 e quatro adolescentes!
Não querendo ser só negativista, deveríamos agora apontar um meio de neutralizar estes dados tão nefastos à juventude. Bastaria dizer que Deus é a solução possível e a religião um fator que lhes conduziria rumo a uma formação sólida e adequada.
No entanto, gostaria de dizer mais que uma palavra simples sobre o valor da religião. Quero apresentar os meios pelos quais a religião católica tem educado os jovens que se dedicam a uma vida casta e virtuosa.
a). Vida espiritual: o estímulo à vivência da fé, esperança e caridade é um caminho para resgatar o valor das virtudes humanas. Aqueles que pela fé em Cristo (entendida, vivida e celebrada) se apóiam na esperança da felicidade eterna, vivem na fidelidade a caridade. Estas virtudes o levam a prática do bem para si e para os outros;
b). O estímulo à vida comunitária: uma proposta de vida comunitária (quer em nível paroquial, quer em nível estável em conventos ou comunidades realmente sadias), implementa o senso de responsabilidade por si e pelos outros uma vez que "Nenhum de nós vive para si, e ninguém morre para si". (Rm 14,7), de modo a desejarem para o outro aquilo que desejam para si (Cf. Lc 6, 31). É a regra de ouro do cristianismo;
c). Experiência de família: a igreja católica é sólida defensora da família e dos valores morais que a promovem e protegem. Desta forma, a integração pais e filhos é viabilizada num diálogo e num respeito mútuo com limites e deveres de ambas as partes compreendendo assim a liberdade como o processo de escolha pelo bem;
d). O estímulo à vivência dos valores evangélicos: buscar restaurar a semelhança com Deus, destruída pelo pecado, nos faz cada vez mais próximos do modelo que é Cristo. Temos alguém a quem procurar: "Senhor, é vossa face que eu procuro!" (Sl 26,8) Jesus é nosso modelo e os santos nossa inspiração por que nos precederam na busca pela concretização da Imagem e semelhança de Deus em si;
e). Baseados na pessoa de Jesus Cristo, restaurar nele todas as coisas: é a meta à qual nos propomos e por isso trabalhamos no meio do mundo para um mundo que se aproxime cada vez mais da Cidade de Deus. Jesus Cristo não é só um modelo, mas é nosso companheiro nesta tarefa. Ele mesmo nos capacita com seu Espírito e nos conduz por sua santa vontade, pelas coisas que passam até a eternidade.
Por isso a experiência católica é tão necessária ao jovem de hoje e impõe-se como resposta às dificuldades que apresentei.
Não me pareceu coerente falar dos malefícios de uma "pulseira do sexo" sem apresentar uma chave para a solução do que segue à "ponta do iceberg". É necessária uma conversão de nossos hábitos e estilo de vida para alcançarmos uma juventude sadia e com uma meta transcendente a seguir e o vértice desta conversão é apresentado pela Igreja: Jesus Cristo, nosso Senhor e Deus salvador.
Diác. Fabiano de Carvalho